Inaugurado em Agosto de 2009
Contador de visitas

MSX GOLD MSX GOLD MSX GOLD: FLASHBACK

Publique sua análise
HOMETERMO DE USOMÍDIASJOGOSHISTÓRIA
SISTEMA DE BUSCAFALE CONOSCOLINKSMSX NO MUNDOOUTROS SISTEMASUTILIDADE GERAL


Jogos Aleatórios

FLASHBACK

FLASHBACK: The Quest for Identity
★★★★★
Tipo:Jogo
Ano:1993
Gênero:Adventure/Plataforma/Raciocínio
Produtora:Delphine Software
Formato:Cartucho
Observações:--

Esse é clássico puro! Uma verdadeira obra de arte no mundo dos vídeo games. Lançado para tudo quanto era sistema da época mas, salvo engano, originalmente para o Amiga. Apesar de sua origem "amiguista", difere bastante daqueles jogos viajados tão comuns ao sistema. Do estilo Amiga ele herdou os excelentes gráficos e trilha sonora. Digo que ele "herdou" porque estamos tratando aqui da versão de Mega Drive, que na minha opinião é o melhor port desse jogo, não perdendo nada para as versões de PC e de Sega CD (cuja diferença está apenas nas "CGs" e nas músicas, que possuem qualidade de CD). Olha, estou pra dizer até que prefiro as músicas e os sons da versão Mega Drive do que as do Amiga ou Sega CD, mas isso deve ser mais por costume mesmo (sempre joguei a de Mega). Seja como for, em se tratando de versões uma que deve ser evitada a todo custo é a de Super Nintendo, que é hedionda de ruim e travada até não poder mais, um nojo! O jogo já é lento por natureza e o SNES faz questão de o travar todo com seu processador tartaruguinha.

Deixando de lado as questões a respeito de ports, vamos ao jogo. E que jogo, amigo! Pra começar, temos uma história de ficção científica muito parecida com a do filme They Live, do John Carpenter (filme mais do que recomendado, que inclusive inspirou a história do jogo Bart vs the Space Mutants e da onde tiraram a fala presente no Duke Nuken 3d "It's time to kick ass and chew bubble gum... and I'm all outta gum"). O mote da história é um cientista, o camarada que controlamos, ter descoberto que alienígenas estão se infiltrando na Terra, se passando por seres humanos. Ele descobriu isso por ter inventado uma máquina que calcula a densidade de sei lá o quê dentro do corpo dos seres humanos, e os ETs têm a densidade diferente. Daí ele percebe que os ETs o estão investigando, e por isso, temendo pelo pior, grava uma mensagem para ele mesmo já prevendo a possibilidade dos alienígenas o capturarem e apagarem sua memória. E é o que justamente acontece, com o começo do jogo mostrando o cientista, Conrad, fugindo das instalações alieníginas e posteriormente caindo numa floresta (a primeira fase do jogo), onde encontra a gravação que ele fez pra ele mesmo, informando que ele deve procurar um amigo que possui uma máquina que irá recuperar sua memória (fato que acontece na segunda fase). O objetivo do jogo, então, é levar o Conrad até a Terra (ele está em uma das luas de marte, ou em marte mesmo, não lembro agora) e, posteriormente, nas instalações alieníginas para conter a invasão.

Para cumprir esse objetivo, o jogo possui jogabilidade no estilo Prince of Persia (e de outros tantos clássicos como Blackthorne e Out of This World), e o que isso quer dizer? Quer dizer que é um jogo de plataforma "realístico", no qual controlamos o boneco em um cenário 2D (ou pra esquerda ou para direita) mas o personagem não possui "superpoderes" do tipo saltar 5 metros de altura, correr como o The Flash, lançar magias etc. Por isso já disse que o jogo é lento, o boneco vai andando pelas plataformas, saltando e se dependurando, tudo como se fosse uma pessoa comum. Então na hora de "trepar" num lugar mais alto, ele primeiro pula, depois fica dependurado e só quando colocamos o direcional para cima é que ele sobe, com esforço, na plataforma. E o mesmo se dá quando ele desce de plataformas altas. Ah, amigo, e se cair de plataformas alta é morte certa! Outro diferencial em sua jogabilidade é o fato de, em que pese ser um plataforma, não se trata apenas de levar o boneco até o final da fase. Cada fase possui objetivos a serem cumpridos e diversos puzzles para se resolver. Essa questão dos puzzles é muito interessante, pois o jogo te encara tanto com puzzles "cerebrais", no qual a perícia com o controle do boneco não é muito exigida, quanto com puzzles de pura jogabilidade em que é necessário perícia no controle do boneco para saltos, corridas, desviar de tiros, atirar etc. A terceira fase mesmo é toda ela um enorme puzzle desse tipo.

Uma coisa que ainda não foi dita é que o personagem possui um inventário e você recolhe diversos itens durante a jogatina, como chaves, créditos, cinto antigravidade etc. Até mesmo pedras podem ser usadas para distrair inimigos e ativar sensores de pressão ou de movimento. Além disso o personagem conta com uma pistola (única arma durante o jogo) e um escudo, que faz as vezes de life, e pode ser recarregado em máquinas que encontramos no cenário. E olha, você vai precisar recarregar esse escudo, viu! Os inimigos (seres humanos, robos, Ets, globins, tem de tudo!) não dão trégua e são verdadeiras máquinas de matar, dão tiro sem dó! Toda essa mecânica é bem "explicada" na primeira fase, que é uma espécie de tutorial e apresenta todas essas situações para o jogador já ir se habituando.

Em relação à trilha sonora esse jogo trouxe uma inovação bacana. Chamo isso de inovação porque na época eu nunca tinha visto coisa igual: não existe músicas tocando enquanto a gente joga. As músicas só tocam em momentos chave da jogatina, dando um clima a mais. Em momentos de tensão toca uma música... tensa. Em momentos de tiroteio toca uma música empolgante, e por ai vai! Muito boa sacada essa.

Já os cenários são bonitos e as fases bem construídas, todas com um design interessante e desafiador. Aliás, desafio é o que mais tem nesse jogo pois tem momentos bem difíceis nele, mas nada impossível.

Pra coroar a bagaça toda, temos 3 níveis de dificuldade e um sistema simples de save e de password. Os saves se encontram espalhados pelas fases, mas só funcionam enquanto você está jogando. É como se fosse um check point. Desligou o Mega Drive? Foi-se o save pras cucuias. Já O password é daquele jeito, você pode voltar à fase em que estava, mas sempre no início da mesma. Os passwords são por fases.

Resumindo: excelentes gráficos, sons, desafio e história. Considero um dos melhores jogos do Mega Drive. Não perca a oportunidade de jogar essa beleza! Nota 5 de 5 com louvor!



Ocorreu um erro neste gadget

Últimos Posts

BlogBlogs.Com.Br