Inaugurado em Agosto de 2009
Contador de visitas

MSX GOLD MSX GOLD MSX GOLD: ANÁLISE DE DOOM (SUPER NINTENDO)

Publique sua análise
HOMETERMO DE USOMÍDIASJOGOSHISTÓRIA
SISTEMA DE BUSCAFALE CONOSCOLINKSMSX NO MUNDOOUTROS SISTEMASUTILIDADE GERAL


Jogos Aleatórios

ANÁLISE DE DOOM (SUPER NINTENDO)

Doom
0,0
Tipo:Jogo
Ano:1995
Gênero:FPS/Tiro
Produtora:ID Software
Formato:ROM
Observações:--
Mais uma conversão sofrível de Doom. Essa consegue ser pior que a de 32X que já tinha recebido diversos downgrades por insuficiência de capacidade de hardware.

Você vê a que ponto o mercado capitalista expõe pessoas e empresas ao ridículo quando vê o resultado final dessas conversões para Super Nintendo e 32X.

Alguns pontos positivos dessa versão a tornam um pouco superior em alguns aspectos em relação a versão 32X: O tamanho da tela, realmente em fullscreen e o número maior de fases convertidas do pc (22 no total).

Não adiantou o esforço do uso do chip Super FX 2, até porque a conversão em si usa uma engine própria que não a mesma do DOOM original. Talvez isso explique o porquê da jogabilidade ter ficado uma merda sem fim, na qual Doomguy parece estar numa escola de samba, desfilando sua pistola, já que a balança e a ostenta de um lado para o outro. A jogabilidade não tem nada a ver com a do original, totalmente descaracterizada e parece até que a movimentação ocorre quadro a quadro, de forma pesada, nada fluída. Nesse aspecto a conversão de 32X se sobressai. A única vantagem dessa jogabilidade merda da versão SNES é que ela não provoca o mal estar característico no jogador, que a versão original e a maioria de suas conversões para diferentes consoles provoca.

Sem falar nos pontos coloridos aleatórios que surgem na tela durante a jogatina - vide screenshot.

A única coisa bem feita é o hud onde aparece a foto do Doomguy e informações referentes à saúde e armas que o jogador está carregando.

Agora, outro ponto negativo é a conversão dos midis da versão original para os instrumentos sonoros do SUPER NES. As músicas estão claramente reconhecíveis, mas com timbres nojentos. Realmente, não valeu a pena. Fora a falta de texturas no teto , no ácido e lava do jogo, sem definição nenhuma, numa resolução nativa do SNES que não foi feito para rodar jogos em 3D. Puta que pariu. E aqui, os inimigos estão disformes e irreconhecíveis à longa distância, à média distância, e até mesmo perto , são apenas um amontoado de pixels grotescos. É de deixar o jogador cego. Difícil aguentar 10 minutos dessa merda.

Resumo: Não valeu a pena, só perda de tempo e dinheiro. Ficou um lixo.



Ocorreu um erro neste gadget

Últimos Posts

BlogBlogs.Com.Br