Inaugurado em Agosto de 2009
Contador de visitas

MSX GOLD MSX GOLD MSX GOLD: CASTLE OF ILLUSION (Starring Mickey Mouse)

Publique sua análise
HOMETERMO DE USOMÍDIASJOGOSHISTÓRIA
SISTEMA DE BUSCAFALE CONOSCOLINKSMSX NO MUNDOOUTROS SISTEMASUTILIDADE GERAL


Jogos Aleatórios

CASTLE OF ILLUSION (Starring Mickey Mouse)

CASTLE OF ILLUSION

★★★★★
Tipo:Jogo
Ano:1991
Gênero:Plataforma/Ação
Produtora:SEGA
Formato:Cartucho (2 MB)
A.K.A:Castle of Illusion (Starring Mickey Mouse), I Love Mickey Mouse (Japão)


Castle of Illusion é um jogo de plataforma que foi lançado para o Master System em 1991 pela Sega.

E que jogo. Um dos melhores do Master System. Deve figurar no top 10 dos maiores jogos de Master de todos os tempos.É o jogo mais vendido do console no Brasil. E com justiça.Eu estava devendo a vocês um review sobre esse jogo há pelo menos 2 anos, quando descasquei a versão do Genesis.

Essa versão merece o nosso reconhecimento por todos os motivos: fun factor, gráficos, jogabilidade, level design, o mapa das fases. Tudo deu certo nessa versão do Master.É pra mim a versão definitiva do jogo. Nunca entendi, por que, o Master System, tendo a metade da capacidade do Mega Drive, tem uma versão do jogo que é superior aquela que poderia por assim dizer, ser considerada a versão original. Porém, ao descobrir que essa versão foi feita depois da versão do Mega Drive a ficha caiu: provavelmente boas ideias que foram rejeitadas na versão do Mega Drive, foram aceitas nessa justamente pra não fazer do jogo um port limitado pelas características inferiores do Master System.

O sprite do Mickey Mouse está muito bem modelado nessa versão e remete aos quadrinhos/cartoons da Disney. Os artistas foram fieis ao conceito original Disney ao dar vida ao Mickey do Master. Você tem todo aquele feeling dos desenhos mais clássicos da Disney jogando esse jogo. Não apenas pela modelagem e animação convincente do Mickey como também dos inimigos , da ambiência e da música que praticamente combina com todos as fases. Temas memoráveis que grudam na cabeça. Não por serem chicletonas, mas por de fato serem belas composições.

Acho que o maior trunfo dessa versão em relação a do Mega, além de pelo menos para mim, julgando as capacidades do Master em relação ao Mega, e guardando as devidas proporções também, os gráficos serem muito bons e detalhados, o mapa das fases é muito distinto das versões do Mega mesmo quando as fases tem o mesmo tema (ex: floresta,fábrica de brinquedos). E o mais surpreendente é que os mapas do Master são melhores e mais divertidos de jogar do que as da versão "superior".Nem todas as fases são iguais. Aquela fase horrível das quedas d'água do Mega Drive foi substituida por uma outra muito mais divertida e interessante: a do Mundo das Sobremesas.

As fases são todas distintas umas das outras e todas muito boas , e apesar de serem diferentes, eles usaram à exaustão um recurso de escadinhas para mudar para a próxima tela. Sério, essas escadinhas são quase uma "marca registrada" desse jogo. Em todas as fases elas aparecem, e mesmo assim, o jogo não ficou repetitivo com elas. Ao contrário , funcionam bem enquanto dinâmica e são ótimas conexões com diferentes partes da mesma fase.

Os chefes são todos fáceis de vencer, mesmo exigindo uma certa dose de estratégia. Mas uma vez que você aprende o macete não há mais segredo. Por outro lado, não vejo isso como um defeito uma vez que esse jogo é voltado para o público infantil. Basta notar a temática das fases e das músicas.Nesse quesito a versão de Mega Drive é bem mais difícil. Mas como dizia o poeta: "Nem sempre dificuldade é sinônimo de diversão".

Você pode escolher dois níveis de jogo: O Practice (que seria quase um Training Mode) no qual você joga versões mais curtas das três primeiras fases e depois disso é convidado a experimentar um nível mais difícil , e o modo normal, onde você joga todas (as 6) fases do jogo e assiste ao final depois.

Acho esse jogo muito bom na maioria de seus aspectos e por isso ele ganhou o troféu MSX GOLD, porém, há dois defeitos (que não interferem tanto na diversão final) que eu vejo nele: É muito curto. Embora as fases sejam elaboradas e tenham diversas nuances interessantes e temáticas diversas, podiam haver mais delas. A segunda é o final do jogo. O final do jogo é muito inferior à versão Mega Drive. Quando o vi na infância, pela primeira vez , fiquei decepcionado. O final da versão do Mega Drive é cinematográfico com direito ao Mickey dando tchauzinho no final (ops, spoiler).

Não poderia esquecer de falar , mas já ia esquecendo da jogabilidade do jogo. Ela é excelente e superior a do Mega Drive, apresentando opções mais interessantes. Além da bundada clássica, que a SEGA bundona (com o perdão do trocadilho) cortou no remake dos consoles da geração atual, Mickey pode atacar os inimigos atacando baús , pedras , lampiões e objetos diversos nos inimigos. Como os controles respondem bem e o Mickey se movimenta de forma natural no cenário, seja para pular, seja para andar ou arremessar objetos, a mecânica funciona muito bem aqui e torna a experiência final prazerosa ao jogador. Porra , mas você vê como esse nosso mundo de hoje é doente e pervertido: a SEGA cortou a bundada do jogo por considerar ela "estranha" pros dias de hoje. E realmente, quando você pensa hoje em dia, vê que as pessoas estão mais imbecis, enxergando homo-erotismo e putaria em tudo. Pra evitar esse tipo de piada, e talvez até uma rejeição por parte dos jogadores de hoje, a SEGA é "obrigada" a alterar um clássico mexendo na sua essência. É de lascar.

Outra coisa muito legal nesse jogo é que ele não é tão linear durante o seu progresso. Quando você entra no Castelo pode escolher por qual sala começar. A única fase não selecionável nesse sentido é a última. Isso é muito interessante porque dá um outro ritmo ao jogo e maior naturalidade ao mesmo.

A história é basicamente a mesma do Mega Drive: Mickey e Minie estavam felizes em Vera City até que a Bruxa Mizrabel insatisfeita e com inveja da popularidade e beleza da Minie a rapta rapta para o Castelo das Ilusões. E cabe a Mickey recolher 7 gemas (5 delas liberadas pelos chefes após derrotados e 2 espalhadas em dois estágios)para conseguir acesso ao castelo da bruxa (última fase).

Vamos as fases:
(ps: vou considerar a ordem das fases a mesma que a ordem em que as portas das salas da Ilusão aparecem no jogo)

1.FLORESTA

A floresta é bem diferente da sua contraparte em 16 bits.Embora alguns inimigos sejam os mesmos, certas situações aqui não se repetem, como por exemplo a da maçã gigante rolando atrás do protagonista, propiciando uma fuga inusitada. A parte subterrânea da floresta foi mais explorada e o personagem se depara com situações diversas envolvendo borboletas, tatu-bolas e outras criaturas animadas pela Ilusão a qual o mundo foi submetido.

2.FÁBRICA DE BRINQUEDOS.

Bem diferente da Fábrica de Brinquedos do Mega Drive, embora o layout não seja assim tão diferente, aqui não enfrentamos soldadinhos de chumbo e nem escalamos em peças que formam uma escada e/ou pulamos em cabeças saltitantes de palhaços malévolos. Porém enfrentamos outros inimigos igualmente criativos como os carrinhos e aviõezinhos de brinquedo que só são destruídos quando o rádio-controle que os opera automaticamente é destruído, o palhaço que faz chover bolinhas e o cavalo de xadrez que pula em nossa direção.Todas ótimas sacadas.

3.O MUNDO DAS SOBREMESAS.

Essa fase sempre me deu a impressão de estar dentro de uma daquelas máquinas de fazer sorvete do Mc Donalds. O piso (e o chefe) é formado por tabletes de chocolates e as plataformas são biscoitos recheados, o background do estágio é cheio de referências relacionadas com o tema como sorvetes de casquinha ao fundo, tabletes de wafer, e uma rosquinha gigante cai do cenário ameaçando o personagem, mas não vi nenhuma relação sinceramente, entre essa situação (que nessa fase das sobremesas se repete 2 vezes mas em cada uma delas com um contexto de plataforma um pouco diferente do outro) e a da maçã gigante da floresta do Genesis.O chefe é um dos mais bem-bolados de todos: uma barra gigante de chocolate que ao esmurrar a parede derruba do teto partes menores que, ao atingir o jogador, lhe tira parte da energia.

4.BIBLIOTECA

Esse é outro mundo bastante interessante onde Mickey se depara com um cenário inusitado,rodeado de certo material escolar (réguas, esquadros, borrachas, lápis, livros), e é esse estágio , pra mim, que apresenta um dos momentos mais icônicos de todo o jogo: Mickey mergulha numa xícara de chá e confronta torrões de açúcar arremessando baús neles!! Nunca esqueci dessa parte. Épico.

5. TORRE DO RELÓGIO

Talvez a mais desafiadora das fases e também a que apresenta um cenário de fundo mais rebuscado com suas engrenagens e sua parede de pedras.O desafio aqui consiste em acertar as plataformas aéreas móveis que vão de um lado a outro enquanto cucos mecânicos surgem no meio do caminho atrapalhando a jornada. Os inimigos dessa fase também são bastante criativos. Enfrentamos engrenagens, relógios-cuco, peças mecânicas estáticas que ganham vida e atacam o Mickey. Talvez esse estágio e o último sejam os mais difíceis do jogo.

6. CASTELO DA BRUXA MIZRABEL

Única fase não selecionável do jogo, que só é liberada após vencer as outras. Quando Mickey vence as fases anteriores (e coleta todas as 7 gemas) um arco-íris se estende e finalmente é liberado o Castelo para o confronto final com a bruxa.É uma fase que requer certa habilidade pois apresenta desafios diversos e pegadinhas, como aquele baú que aparenta ser só um baú inofensivo contendo ítens benéficos ao personagem, mas que é na verdade, um baú carnívoro que avança no personagem arrancando energias. Pesos em correntes tentam esmagar o personagem, fantasmas aparecem em buracos sem fundo, e se bobear o personagem perde várias vidas nesse momento crucial.Isso, sem contar ainda com as armaduras cheia de "vida" que vão surgindo durante o caminho. Há também portas enganadoras que te fazem voltar na fase e há a porta certa que te leva para o confronto contra um Dragão! (puta que o pariu SEGA, como é que não colocou isso na versão do Mega ?) Após vencê-lo , com certa estratégia, chegamos ao confronto final com a bruxa. Mizrabel lança dois pontos em zigue-zague pela tela , dos quais o jogador deve desviar e , para vencer , tem que acertar um certo número de porradas na bruxa, arremessando um lampião. E no final, no final broxamos todos porque o final da obra é decepcionante.

VEREDITO FINAL:

Castle of Illusion é um clássico do Master System, e reconhecido como um dos melhores jogos do console por todos aqueles que têm um mínimo de noção dos clássicos do gênero de plataforma da época.Um jogo imperdível, com uma jogabilidade impecável, gráficos bélissimos e detalhados, trilha sonora primorosa e que, acima de tudo e mais importante: propicia muita diversão. O fun factor é gigantesco e o fator replay maior ainda.Sempre temos vontade de zerar novamente o jogo somente pelo prazer de jogar e de tentar fazê-lo sempre de uma forma diferente, descobrindo novos truques.Esse jogo merece figurar entre os "100 jogos para jogar antes de morrer". Clássico.

Outra coisa que gostaria de dizer antes de encerrar: A arte da capa do jogo sempre me impressionou. Era tão artística e bem feita que me dava vontade de jogá-lo. E ao jogá-lo (principalmente pela primeira vez), não me decepcionei. Ou seja, o conceito do jogo - na versão do Master System - é 100%. Como disse lá no início, tudo deu certo e o produto final é da mais fina qualidade. Recomendo a todos!

A versão de Master, levando em conta toda a limitação do hardware comparada a um sistema de 16 bits, é muito, mas muito superior. Gráficos muito mais fiéis aos personagens Disney, animações e contexto muito mais alinhados com a proposta do jogo e a jogabilidade então, nem se compara. A SEGA se superou nessa obra. Fica o parabéns a todos os realizadores e acima de tudo, para os jogadores, fica a obra.




Ocorreu um erro neste gadget

Últimos Posts

BlogBlogs.Com.Br