Inaugurado em Agosto de 2009
Contador de visitas

MSX GOLD MSX GOLD MSX GOLD: ANÁLISE DE MORTAL KOMBAT II (ARCADE)

Publique sua análise
HOMETERMO DE USOMÍDIASJOGOSHISTÓRIA
SISTEMA DE BUSCAFALE CONOSCOLINKSMSX NO MUNDOOUTROS SISTEMASUTILIDADE GERAL


Jogos Aleatórios

ANÁLISE DE MORTAL KOMBAT II (ARCADE)

MORTAL KOMBAT II
★★★★★
Tipo:Jogo
Ano:1993
Gênero:Luta
Produtora:Midway
Formato:Arcade Board
Observações:--

Depois do estrondoso sucesso do primeiro título, conseguiram criar um jogo ainda melhor, com novas features, gráficos muito melhores, sistema de som mais poderoso que o da primeira versão. Músicas ainda mais sombrias e inspiradas, novos cenários, uma porrada de segredos, easter eggs, enfim. O jogo conseguiu superar o sucesso do anterior e era mais bem feito em quase tudo. Manteve o clássico sistema de cinco botões, sendo dois de soco (fraco e forte), dois de chute (fraco e forte) e o de bloqueio. A jogabilidade se manteve eficiente e para acalmar os críticos de plantão, inseriram "Friendships" e "Babalities" nas finalizações dos personagens, acrescentando um certo alívio cômico ao jogo.

Personagens clássicos receberam um tapa no visual. Liu Kang, Sub Zero e Scorpion, não pareciam mais personagens saídos de um filme B, ganharam uniformes mais caprichados e modernos. Os novos personagens incluídos possuíam golpes especiais muito bons, como os leques fatais arremessados por Kitana, ou as garras do Baraka que desfiavam o oponente num golpe que tirava bastante energia. Ainda tinha o chapéu arremessado por Kung Lao, e Reptile, que se tornou um personagem jogável e agora possuía golpes próprios e a habilidade de se tornar invísivel - distanciando-se assim, do clone de Sub Zero e Scorpion, que ele fora no primeiro.

Entre os novos estão também Mileena, a outra ninja feminina, metade demônio, metade mulher, que arremessa seus tridentes durante os combates. Jax, parceiro da Sonya Blade que vai ao torneio para resgatá-la.Shang-Tsung voltou rejuvenescido e com um ar mais transadão, com uma vestimenta de feiticeiro moderno. E agora é personagem jogável. Grande vantagem dele é poder se transformar nos outros guerreiros, apesar de também lançar bolas de fogo nos adversários.

Além desses , temos Smoke, personagem secreto, um ninja na cor cinza , mas que não passa de um clone de Scorpion, já que usa os mesmos golpes dele (assim como Reptile fora em MK1) - exige um macete que não recordo para lugar contra ele. Jade, a clone de Kitana , ninja de roupa verde, e para lutar contra ela (que é a interrogação da torre) é necessário vencer a luta antes da interrogação usando apenas chute baixo. Há também Noob Saibot, um outro ninja, que na verdade enxergamos como uma sombra, e tem os golpes equivalentes ao do Sub-Zero, pois na verdade esse lutador é o Sub-Zero do primeiro Mortal Kombat.

Os outros dois são os novos chefões do jogo. Kintaro, um novo boneco que teve os movimentos capturados por stop-motion (assim como Goro no jogo anterior), e Shao Khan, um dos principais vilões de toda a série, imperador, conquistador de almas e reinos.Um gigante guerreiro que mede mais de 2 metros de altura.

Os cenários continuavam a apresentar detalhes como no primeiro título da série, mas aqui não há referências à cultura oriental, e se por acaso houver em alguma parte ou estágio, é bem mais discreta do que no primeiro título da série. Temos árvores vivas que emitem rugidos durante a fase da floresta, dragões voando ao fundo do cenário num outro estágio, e podemos perceber bolhas estourando no ácido no cenário DeadPool, isso sem contar a luta de fundo da fase "The Pit2", no qual um dos combatentes está pegando fogo.

A melhoria gráfica foi muito perceptível, principalmente nos sistemas de iluminação, fora os uniformes dos lutadores estavam menos bregas e feitos nas coxas, dando aos personagens uma maior credibilidade , tornando-os mais pláusiveis.

A campanha dura bastante. Tiraram os Endurance Matchs e as fases de bônus quebrando objetos, até porque agora havia personagens suficientes pra um modo solo consistente, sem necessitar desse tipo de recurso pra fazer a partida durar. No entanto, mesmo jogando no "Very Easy" a dificuldade não é nada balanceada. E é por isso que não ganhou o troféu GOLD. O computador prevê seus movimentos e os bloqueia ou contra-ataca antes mesmo de você executá-los, tornando as lutas um verdadeiro pé-no-saco e combates infindáveis que te forçam a trocar de personagem toda hora, irritando o jogador a ponto de querer desistir e não querer mais saber. Tenso.

Resumo da ópera: Excelente jogo, melhor que o antecessor em boa parte das ideias, mas pecou na inteligência artificial exagerada que frustra o jogador.



Ocorreu um erro neste gadget

Últimos Posts

BlogBlogs.Com.Br