Inaugurado em Agosto de 2009
Contador de visitas

MSX GOLD MSX GOLD MSX GOLD: WATCH DOGS - SIGNATURE EDITION

Publique sua análise
HOMETERMO DE USOMÍDIASJOGOSHISTÓRIA
SISTEMA DE BUSCAFALE CONOSCOLINKSMSX NO MUNDOOUTROS SISTEMASUTILIDADE GERAL


Jogos Aleatórios

WATCH DOGS - SIGNATURE EDITION

WATCH DOGS - SIGNATURE EDITION
★★★
Tipo:Jogo
Ano:2014
Gênero:Ação/Sandbox
Produtora:Ubisoft Montreal
Formato:Blu-Ray
Observações:A diferença dessa versão para a comum, é que essa acompanha um código para baixar uma missão exclusiva (DLC) chamada 'Palace Pack'

Aiden Pearce é um hacker, que através do celular invade sistemas de semáforos , pontes, transformadores de energia e pode causar um verdadeiro caos na cidade utilizando algumas dessas funções com seu smartphone. Além de claro, hackear informações e pessoas na rua e raspar o dinheiro de suas contas, talvez a habilidade mais legal do hacker.

Basicamente, durante o decorrer do jogo, fará interações com dois personagens chaves: Clara Lille, uma hacker pertecente ao grupo Dedseck, que basicamente é um grupo de hackers contra o sistema CTOs, controlado por empresas privadas no jogo.

O segundo personagem relevante é T-Bone, programador que no passado ajudou a escrever os códigos do sistema CTOs, que basicamente controla toda a cidade. Se junta a Aiden e Clara , para deter a Blume Corporation, criadora do sistema CTOs.

Durante o jogo, Aiden pode invadir as torres principais da cidade para ter acesso aos mecanismos controlados pelo CTOs na região específica da cidade onde se localiza a torre. Nem sempre isso é fácil, pois muitas vezes guardas armados protegem essas torres.

Watch Dogs se passa numa Chicago alternativa, contendo alguns pontos turísticos que realmente existem na cidade e outras partes ficcionais. Os produtores do jogo assim o fizeram para ter mais liberdade em trabalhar no jogo , suas locações e sua história.

É um jogo de mundo aberto que segue uma história e nessa história o jogador realiza as missões principais, porém há missões secundárias e itens colecionáveis, como em todo jogo que segue essa linha sandbox, como os GTAs da vida e como ocorre também na série Assassin's Creed.

Os gráficos são aceitáveis, mas estão longe de serem os melhores para a geração atual de consoles (XBox One/PS4). São gráficos comparáveis aos gráficos da geração anterior. Nesse sentido, esse jogo está um degrau abaixo da série Assassin's Creed, produzidos pela mesma Ubisoft. Certo também que essa comparação não é muito justa uma vez que a série Assassin's Creed já é produzida há quase 10 anos e esse é o primeiro de uma futura possível sequência. E sim, apesar dos pesares , desejo que esse jogo se torne uma franquia, pois tem um potencial enorme para se tornar uma franquia de bastante sucesso assim como a própria franquia Assassin's Creed.

Muita gente reclamou da física dos carros dizendo que era absurda e blábláblá. Mas geralmente , os que fazem essa crítica costuma comparar a física dos carros com o GTA ou com jogos de corrida. Enfim, a dirigibilidade do carro não me incomodou em nada. Nem nas missões principais e muito menos nas secundárias e naquelas de fugir/perseguir outros carros.

O que realmente foi irritante a princípio, foi o sistema de mira. Quando adquiri as primeiras armas no jogo achei o sistema de mira uma verdadeira bosta. Depois percebi que ele só fica melhor quando a arma é boa ou muito boa. Triste. Espero que aperfeiçoem esse sistema no próximo jogo.

O jogo é dublado em português. A dublagem está decente. Nada a reclamar quanto a isso.

Um ponto positivo é a maneira de se conseguir dinheiro no jogo através de hacks e pilantragens com o celular. Facilmente se junta o suficiente para comprar armas e outros itens. Diferente do que acontece no GTA , onde se você matar um pedestre pega no máximo uns 15 dólares e não há nem um sistema aleatório pra tornar a arrecadação de dinheiro menos sovina. De qualquer forma, qualquer comparação desse jogo com o GTA não faz o menor sentido porque a proposta do jogo é totalmente outra.

Entre as habilidades de hacker de Aiden, há a possibilidade de invadir o sistema de câmeras da cidade, mudar o sinal dos semáforos, explodir bueiros e transformadores de energia causando um apagão momentâneo na cidade, invadir sistemas caseiros de webcam , entre outras milhares de patifaria, desviar sinais de empresas para ter acessos a seus dados e demais sistemas de espionagem ilegal.

Tem que tomar cuidado também com o seu nível de reputação. Diferente do que ocorre em GTA, se chutar o pau da barraca sacando a arma em público ou se matar diversos inocentes , seu retrato falado vai parar na imprensa e você não tem mais sossego a partir daí. Se é visto na rua por um pedestre ele já liga pra polícia e sua vida no jogo vira um verdadeiro inferno. Por outro lado, se conseguir deter vários marginais, evitar assaltos e etc, sua reputação sobe e você circula livremente pela cidade sem ter de se preocupar com demais encheções de saco.

Para completar 100% do jogo é necessário fazer missões secundárias, resolver alguns puzzles chatos, como alinhar certas câmeras na cidade para conseguir ler um código QR que aparece numa região estratégica de uma construção ou edifício e etc. Algumas dessas missões não tive saco de fazer. Terminei o modo história e taquei o foda-se.

Outra coisa bacana é que quase tudo que está no cenário é destrutível. Você arrebenta cercas, postes, pontos de ônibus - o que aliás é algo que não faz muito sentido, porque o jogo não tem ônibus, apesar de apresentar uma gama interessante de carros, barcos, motos e caminhões.

O personagem também pode nadar , o que costuma ser a fuga mais bem sucedida quando sua barra de procurado pela polícia está no máximo.

A interação com os pedestres é bastante realista, você ouve diálogos na rua, os vê interagindo, dançando, treinando estilos de luta, entre outras atividades. A única coisa que ficou artificial nesse ponto é que eles são bem passivos quando você sobe por cima do carro deles só pra causar, ficam xingando um monte, mas é só o que fazem. Não saem do carro, sequer tentam movimentar o carro bruscamente para que você caia dele.

E mesmo com toda essa naturalidade, ainda fica parecendo que os mundos abertos de Assassin's Creed - por alguma razão - são mais orgânicos e funcionais do que o mundo aberto de Watch Dogs.

Veredito final: Watch Dogs é um bom jogo e apenas isso. O que esperamos numa sequência: polimento em alguns defeitos que acabam comprometendo a diversão , como o sistema de mira. Fora a jogabilidade , que em certos momentos é travada. Por exemplo, o personagem só pode pular se for pra escalar algum muro de um lado para o outro, ou para transpor um nível e subir mais alto, por exemplo. Não é uma sequência natural de movimento , como andar, por exemplo. Mas isso também existe em Assassin's Creed, então é uma característica adotada pela Ubisoft em seus títulos de ação, dificilmente mudarão isso. Esperamos que com mais calma pra lançar um novo título, gráficos compatíveis com o nível de excelência sejam apresentados.

Por outro lado esse jogo inovou ao apresentar uma jogabilidade diferente, onde o grande trunfo é invadir sistemas e lugares físicos sem ser percebido, matar inimigos em pontos estratégicos e evitar ser alvejado. É o primeiro jogo de mundo aberto onde se pode bisbilhotar NPCs para conseguir vantagens para o próprio jogador. Quanto a isso, mérito da Ubisoft, não há nem o que questionar. Mas precisa acertar nos pontos chaves mencionados acima para se tornar um título imbatível!



Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.
BlogBlogs.Com.Br