Inaugurado em Agosto de 2009
Contador de visitas

MSX GOLD MSX GOLD MSX GOLD: ANÁLISE DE SUPER STREET FIGHTER II: THE NEW CHALLENGERS (SNES)

Publique sua análise
HOMETERMO DE USOMÍDIASJOGOSHISTÓRIA
SISTEMA DE BUSCAFALE CONOSCOLINKSMSX NO MUNDOOUTROS SISTEMASUTILIDADE GERAL


Jogos Aleatórios

ANÁLISE DE SUPER STREET FIGHTER II: THE NEW CHALLENGERS (SNES)

Super Street Fighter II: The News Challengers
★★★★★
Tipo:Jogo
Ano:1994
Gênero:Luta
Produtora:Capcom
Formato:ROM
Observações:--

Essa conversão é maravilhosa, possui vozes muito mais próximas e audíveis em relação ao Arcade do que o concorrente Mega Drive, e graficamente em alguns momentos chega a ser superior no que tange à paleta de cores e se lê com mais clareza o "Warning" da placa na cerca do estágio do Guile, do que na versão Mega Drive por exemplo. A versão de Mega Drive é convertida diretamente do código dessa versão do SNES, então , uma dúvida pairou em minha cabeça: por que cortaram algumas vozes do locutor? Por exemplo, ele não anuncia as lutas, não diz "Round" , "1,2,3,Final" e nem anuncia o "Fight!".Se a versão de Mega provém dessa, era de se esperar que a versão originária do código fosse mais completa.

É certo que a versão de Mega Drive tem o tamanho de rom de 40 MB, devido ao uso de um truque tecnológico por parte da Capcom que alternava o mapeamento da ROM e com isso abriu espaço para que mais vozes fossem incluídas na versão Mega, mas isso continua não justificando esse corte no SNES, que poderia sim reproduzir o áudio cortado!

Fora isso a conversão é perfeita, óbvio que , estamos desconsiderando aqui os cortes de animação e pequenos cortes no cenário , além da necessária redução de escala personagem x cenário que sempre ocorriam nessas conversões devido ao fato da placa CPS2 ser muito mais poderosa tanto na questão do áudio (QSound) quanto na questão gráfica. Então esses downgrades já eram esperados.

Mas a conversão é quase completa, e seria completa não fosse esse corte do áudio do locutor. Parece um detalhe besta a se comentar, mas nos anos 90, quando algum Nintendista ia rir da cara do Seguista pelo fato das vozes não serem tão claras como no SUPER NES, o proprietário do Mega Drive tinha o argumento : "É , mas pelo menos no meu console o locutor narra os rounds!!". E aí , filhão?

A questão mais polêmica no entanto fica ao encargo da conversão dos temas. O chip sonoro do SNES , como é sabido por muitos, possuía o seu próprio banco de instrumentos musicais personalizados, sendo que muitas músicas ficaram melhores e mais sofisticadas com os sons do SNES e outras ficaram menos épica e com menos cara de "ação da batalha" como eram nos Arcades. No estágio do Blanka por exemplo, soam melhores os instrumentos percussivos da introdução da música em relação ao original e em relação ao Mega Drive. No entanto o tema do Sagat soa pior, dadas essas diferenças de arranjo e instrumentação.

Os controles respondem bem, mas são menos precisos na resposta do que a versão rival do Mega Drive. Mas nada que se note muito, a menos que se tenha jogado muito uma versão ou outra. O que incomoda mesmo é o locutor não anunciar os rounds, o resto se nota bem menos.

Como no Mega Drive, nessa conversão há modos extras de luta incluindo torneios , desafios e combates contra o tempo. Um extra bem interessante que aumenta o fator Replay do jogo. No entanto não há o modo Expert no qual se enfrenta todos os lutadores , como no Mega. Por outro lado, esse modo não faz falta nenhuma - uma vez que jogando nele não se enfrenta os bonus stages - e a única ressalva que fez o jogo não ganhar o troféu GOLD foi mesmo essa ausência do áudio anunciando as lutas. O que não deixa de ser uma pena pois o SNES era capaz de reproduzir esse áudio sem prejudicar em nada o resultado final do jogo. Não sei o que deu na Capcom.

Resumo da ópera: Um jogo quase perfeito. E deve ser o melhor de luta para o sistema SNES!!



Ocorreu um erro neste gadget

Últimos Posts

BlogBlogs.Com.Br